Slide

Blog Conheça o novo Cores 07/02/2019

O Escolhido | Crítica


Olá, pessoas!
Tudo bem com vocês?

Mal da para acreditar que já estamos praticamente na metade julho, não é? Como o ano tá passando rápido. É desesperador ver que a minha lista de filmes/séries/livros só cresce. Mas fazer o que, não é mesmo? 

Estou de volta pra contar um pouquinho pra vocês sobre a mais nova produção nacional da Netflix. Estreou no último dia 28 a série "O Escolhido", trama que mistura suspense com elementos sobrenaturais, lendas folclóricas e um conflito entre a fé e a ciência.

Data de Lançamento: 28 de junho de 2019
Direção: Michel Tikhomiroff
Gênero: Suspense
Duração: 6 episódios | 40 min
Sinopse:  Três jovens médicos são enviados a um vilarejo remoto do Pantanal para vacinar seus moradores contra uma nova mutação do vírus da Zika. Quando seus esforços para tratar a população são recusados, o trio se vê subitamente preso em uma comunidade isolada e coberta de segredos. Os residentes são devotos de um líder enigmático que diz ter o poder de curar doenças sem fazer uso da medicina. Isso os levará a confrontar a força da fé sobre a ciência.


Eu adoro o espaço que as produções nacionais tem conquistado ao longo dos últimos anos. Nossos diretores, atores e produtores estão se aventurando em temas e gêneros pouco explorados até então. Na Netflix, já é possível encontrar algumas séries e outros conteúdos brasileiros produzidos exclusivamente para o serviço, como a já conhecida 3%, que recentemente ganhou sua segunda temporada. Agora chegou a vez de O Escolhido ocupar os holofotes e trazer muito suspense e mistério para os telespectadores. O roteiro escrito por Mauricio Katz e Pedro Peirano foi adaptado de uma série mexicana lançada em 2011, chamada de Niño Santo. Ambas possuem a mesma premissa principal, porém, em O Escolhido foram trazidos elementos muito brasileiros e que foram muito bem vindos, no entanto, a série peca pela falta de detalhes, furos no roteiro e atuações fracas.

A história se passa no vilarejo fictício de Aguazul, cuja única entrada é através das misteriosas águas do pantanal. Lá seus moradores vivem quase em completa isolação e é proibida a entrada de qualquer estrangeiro sem o aval dos habitantes do vilarejo. Quando um grupo de médicos decide ir até o vilarejo com o objetivo de vacinar a população contra uma mutação do zica vírus, todos se recusam, pois ninguém fica doente. Segundo relatos, os moradores escolhem quando querem morrer e sempre de modo natural. Os médicos se recusam a irem embora e decidem vacinar a população mesmo assim: A partir desse ponto, a vida de Lúcia, Damião e Enzo muda drasticamente ao conhecer os estranhos costumes e rituais do vilarejo em que as pessoas não adoecem e são comandas por uma espécie de curandeiro, batizado de O Escolhido, representação máxima da fé dos habitantes. 

Aos poucos, Lúcia, Damião e Enzo vão mergulhando nos segredos do vilarejo e da espécie de seita formada pelas pessoas, que seguem todos os ensinamentos e comandos do Escolhido. A série a partir daí aborda de maneira muito clara o eterno debate entre ciência e religião. Os médicos são movidos pela razão e por tudo que aprenderam ao longo de suas vidas, enquanto todos os cidadão acreditam que o misterioso homem é um santo e capaz de curar todas as enfermidades através do poder da fé.  Além disso, a série também se aproveita da regionalização para explorar lendas e folclores da região, como o da Cobra Grande para a construção do seu roteiro, trazendo-a como a grande inimiga do Escolhido. A cobra, por sua vez, representa o pecado e a perdição, enquanto o curandeiro protege o vilarejo. Nesse ponto, fica muito claro as antíteses que a produção trouxe para a obra, o bem versus o mal, a ciência versus a religião. 


Toda a ambientação do vilarejo é simplesmente fantástica e mesmo a série não possuindo excelentes efeitos sonoros e visuais, convencem o telespectador. Aguazul automaticamente me remeteu ao
vilarejo fictício em que a história de Nova Jaguaruara (uma história de terror nacional) é narrada. (Caso queria ler, basta clicar aqui). Aqui a produção mostra que fez seu dever de casa direitinho e traz um vilarejo repleto de inúmeros detalhes e aquela cara de cidadezinha amaldiçoada do interior, com suas casas simples, ruas de chão batido e a típica igrejinha velha, palco de toda a trama. 

A série vai desenvolvendo esse roteiro principal ao longo dos seis episódios em que é exibida, e  a história é contada de maneira coesa e envolvente; Aos poucos, mais detalhes a respeito da cidade e do Escolhido são revelados, enquanto são dados ao telespectador flashbacks de memórias dos médicos, algo que contribui para a aproximação com os personagens. No final da temporada, diversos ganchos foram encerrados e outros mantidos abertos para uma possível segunda temporada. É aqui que ocorrem os grandes erros da produção brasileira. Em minha opinião, a série peca por muitos problemas de sincronismo com os eventos narrados e incoerências no roteiro; Uns são bem pequenos e passam facilmente, outros já são mais difíceis de ignorar.

A parte mais fraca de toda a série é a escolha do elenco. Gosto por terem optado por atores pouco conhecidos do público. É uma ótima oportunidade para a descoberta de novos talentos, no entanto, não funcionou. O trio de médicos é simplesmente detestável; Não possuem carisma, não se entrosam bem e as coisas não fluem. O mesmo vale para os moradores de Aguazul e o tal Escolhido. No final senti que a produção possui um lado independente e amador, mesmo com uma ótima ambientação e um roteiro eficiente. Algumas falas dos personagens são péssimas e bobas e as situações criadas por Damião e Enzo beiram o ridículo. Lúcia também é uma personagem bem difícil de se aproximar, pois a mesma se contradiz, volta atrás e muda de opinião o tempo todo.

Enquanto escrevia essa resenha, eu não conseguia me decidir se amei ou se odiei a série. Ao mesmo tempo que me sentia atraído e instigado pela história, a péssima atuação e os furos no roteiro me desanimaram bastante. Cada episódio é repleto de informações e outros elementos, mas ao mesmo tempo, a série consegue ser superficial e não abordar nenhum ponto de maneira mais específica. Apesar dos bons momentos em que a série discute sobre os avanços da ciência em conflito com a fé dos habitantes, gostaria que esse tema tivesse sido mais bem explorado, tenho certeza que o resultado seria uma série muito mais rica para se discutir. Falando em confusão e mistérios não resolvidos, a série bebe das influências deixadas por Lost em que o telespectador sai com mais perguntas do que respostas. Sou muito fã de histórias de suspense (vocês sabem), mas creio que se houver uma segunda temporada, a direção necessita corrigir tais erros e, principalmente, se aprofundar mais nos temas, pois ninguém irá dar crédito a uma série que promete muito, mas traz poucos esclarecimentos para o público.


Foi uma experiência agradável, mas que poderia ter sido melhor. Muito melhor. Mais forte. Mais densa. Mais explicativa. Menos confusa e incoerente. A relação dos habitantes pelo salvador não é explicado; tampouco a tal lenda da cobra. Em diversos momentos falam sobre ela, mas sua única aparição não convence, sendo totalmente avulsa para o desenvolvimento. Infelizmente, não vejo maneiras de melhorar a atuação do elenco. Espero que o entrosamento entre eles melhorem. De todas as formas, é uma série que merece a chance de ser assistida e comentada, tenho esperanças que esses elementos serão melhorados.Talvez a série nunca se transforme num clássico ou num fenômeno mundial como a série espanhola La Casa De Papel. Mas a mesma possui potencial para muito mais. 

Nota: 2,5/5,0

Bem, chegamos ao fim de mais uma resenha. Espero muito que vocês tenham gostado, não se esqueça de deixar seu comentário com sua crítica, dúvida ou sugestão. As coisas agora estão voltando ao ritmo normal e espero conseguir colocar em dia o meu cronograma de resenhas aqui pro Cores, mas isso é papo pra outra hora.

Bom final de semana e até a próxima!
 

  1. eu tô nessa relação de amor e ódio com o último filme de Vingadores hahaha, te entendo!
    não conhecia essa nova série, mas como vc, me encantei pelo enredo! vou arriscar assitir 1 episódio e ver se rola uma quimica pra continuar..

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaah quem não sente isso com relação a Vingadores, não é mesmo? Muito obrigado por seu comentário, espero que goste, depois me conta se a série te prendeu!

      Grande beijo!

      Excluir
  2. Eu não conhecia essa nova série e achei interessante pelo enredo e fiquei curiosa pela ambientação, percebi que será do meu agrado. Fora que essa mistura de suspense com elementos sobrenaturais, chama minha atenção. Vou levar essa dica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fernanda! A série mescla de maneira muito satisfatória esses elementos, também sou muito fã e já quero a segunda temporada e mesmo com algumas coisas que me incomodaram e que citei na resenha, vale a pena assistir! :)

      Excluir
  3. Olá!
    Gostei muito da sua resenha! Ainda não conhecia nem tinha lido nada sobre a série, não sei se conseguiria assistir, apesar de procurar valorizar tudo que é nacional, justamente por esses furos de roteiros e interpretações mais ou menos, acho que a gente acaba ficando mau acostumados com séries dos EUA rs. Mas, focando nos aspectos positivos, vou procurar e ver se ela me agrada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria! Tudo bem com você?

      Sim, a gente acaba ficando acostumado a ver altas produções americanas que nossas expectativas se elevam demais! hahaha
      De todas as formas, acredito que irão trazer uma segunda temporada melhor nesses aspectos, pelo que vi na internet, a série está se saindo bem em audiência, as chances de ser renovada são grandes. Obrigado por seu comentário! ♥

      Excluir
  4. Achei bem interessante o enredo dessa série, e por ser da nossa terrinha teria um ponto positivo a mais, mas as atuações ruins e os furos que você mencionou me desanimaram bastante. Eu já assisto séries raramente, é difícil criar coragem algo que pode me frustrar, sabe?

    Amei a sua resenha!

    Bjo
    ~ Danii

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiiie, Dani! Tudo bem?

      Obrigado pelo elogio e seu comentário, fico feliz que tenha gostado.

      Pois é, essas coisas desanimam um pouquinho, mas mesmo assim, é um enredo bem interessante e ainda mais uma obra nacional que procura explorar outros temas, não é mesmo? ♥

      Excluir
  5. Não conhecia a série, mas achei a premissa muito bacana e interessante, pois o tema rende muitas discussões. Espero que os pontos que você mencionou sejam trabalhados e corrigidos.
    Parabéns pelo post, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Muito obrigado por seu comentário.

      Exatamente. Acho que faltou mais planejamento para a primeira temporada, porque a premissa da série é realmente ótima.

      Vamos aguardar e esperar pela segunda temporada!

      Excluir
  6. Oi Gabriel
    Ainda não conhecia a serie, até porque quase não acompanho esse tipo de produção e ainda mais sendo na Netflix. Apesar da boa premissa, o que eu mais gosto é dos personagens e da interação tanto entre eles como com o público. Dessa forma, muito embora pareça ter um bom desenvolvimento, não acredito que vá gostar. Afinal, não teria boas atuações para elevar a série à um ponto mais fantástico.
    Beijos.
    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jéssica. Penso da mesma maneira, é muito complicado para uma série se manter em alta quando os telespectadores não se conectam aos personagens. Espero muito que a qualidade das atuações melhorem para a segunda temporada.

      Obrigado por seu comentário!

      Excluir
  7. Oi, Gabriel. É uma pena ver tanto potencial desperdiçado, né? Se eu não me conectar com os personagens dentro de uma história, dificilmente conseguirei me envolver com ela de verdade, por isso te entendo. Se a falha vai desde a atuação ao roteiro que falha no desenvolvimento deles, aí é que a coisa piora de vez. Entretanto, como é uma série, ainda temos a esperança de que venha uma continuação para justificar alguns pontos e melhorar a produção. Não a conhecia ainda e apesar de gostar da premissa, os pontos que você mencionou me convenceram de que não é o momento para assisti-la. Ótima resenha, como sempre. Bjs!

    http://abducaoliteraria.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gi! Tudo bem?

      Pois e, a serie tinha tudo para se tornar um grande destaque da plataforma, mas infelizmente, ficou devendo nesses pontinhos. Ótimo a sua ressalva de que por ser uma série, a mesma possa vir a melhorar no futuro. Vamos aguardar mesmo!

      Obrigado por seu comentário, fico feliz que tenha gostado da resenha. ❤️ Beijos!

      Excluir
  8. Oi Gabriel, tudo bem ?

    Nossa vi essa série pelo aplicativo e confesso que só exatamente pelo elenco não fiquei tão instigada a assistir, mas a proposta parecer intrigante e gostei do tom que a série parece adiquirir...mas confesso que ainda sigo na dúvida .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Tudo sim e com você?

      Pois é! O que mais me desanimou mesmo foi o elenco e suas atuações irregulares... Sugiro dar uma chance, mas já sabe onde está pisando... Hahahahahah

      Grande beijo!

      Excluir