Slide

Blog Conheça o novo Cores 07/02/2019

Flores Para Algernon | Resenha

Foto: Gabriel Ferrari

Olá, pessoas! Como estão? 

Um tempo atrás eu comentei com vocês aqui no site o quão proveitoso havia sido o meu mês de janeiro, com diversas leituras maravilhosas e livros inesquecíveis. Infelizmente o mesmo não se repetiu para fevereiro e, além de ter lido muito pouco (apenas 4 livros), foram leituras bem fracas, quando as comparo com as do mês passado. Em um mês de leituras mornas e histórias de pouco impacto eis que surge a última leitura do mês que veio para incendiar tudo e me arrancar da monotonia em que me encontrava. Uma obra complexa, perspicaz e altamente emotiva e reflexiva. Estou falando da obra Flores Para Algernon, do escritor Daniel Keyes e trazida pelo Brasil pela editora Aleph. Eu nunca havia lido nada tão triste e tão bonito em toda a minha vida e o livro despertou um mix de sentimentos em mim que ficou até difícil transcrevê-las em uma resenha capaz de transmitir todos os sentimentos que tive ao ler.

Vamos lá?


Autor: Daniel Keyes
Editora: Aleph
Gênero: Ficção científica
Páginas: 284
Sinopse: Uma cirurgia revolucionária promete aumentar o QI do paciente. Charlie Gordon, um homem com deficiência intelectual severa, é selecionado para ser o primeiro humano a passar pelo procedimento. O experimento é um avanço científico sem precedentes, e a inteligência de Charlie aumenta tanto que ultrapassa a dos médicos que o planejaram Entretanto, Charlie passa a ter novas percepções da realidade e começa a refletir sobre suas relações sociais e até o papel de sua existência. Delicado, profundo e comovente, Flores para Algernon é um clássico da literatura norte-americana.


Charlie Gordon é um homem de 32 anos de idade que possui uma grave deficiência intelectual. Segundo os testes realizados seu QI é abaixo de 70 e é justamente por isso que ele foi selecionado por um laboratório para ser o primeiro homem a fazer uma cirurgia revolucionária que seria capaz de aumentar sua inteligência. É importante ressaltar que a cirurgia ainda se encontrava em fases de testes e os médicos não podiam prever os efeitos colaterais caso Charlie aceitasse fazê-la. A única informação concreta que possuíam é que a tal cirurgia havia sido testada em um rato chamado Algernon que após o procedimento apresentou um intenso desenvolvimento intelectual, lógico e motor. Algernon se torna então uma espécie de rato prodígio e, animados pela perspectiva do sucesso em humanos, selecionam Charlie como cobaia. O jovem rapidamente se anima com a ideia e vê aí uma oportunidade de ser mais inteligente e não ficar mais sozinho, pois segundo ele, pessoas inteligentes possuíam diversos amigos. Charlie é um homem extremamente doce, gentil e ingênuo e, apesar de adulto, possui a mentalidade e inocência de uma criança e esse é o primeiro ponto tocante no livro. É emocionante ler as coisas diante da perspectiva dele que enxerga tudo sem maldades e acredita sempre no melhor das pessoas.

Se você é inteligente você pode ter muitos amigos para conversar e você nunca fica solitário, sozinho o tempo todo.

Segundo a sinopse do livro (não estou dando spoilers!!!), a cirurgia de Charlie é um sucesso e logo os primeiros sinais de desenvolvimento começam a ser notados pelos médicos e o protagonista apresenta facilidade em aprender novos assuntos e línguas, além de possuir um exímio raciocínio lógico e motor. Em pouco tempo, Charlie consegue resolver os problemas mais complexos que envolvam física e matemática e sua inteligência já ultrapassa a dos médicos responsáveis por toda a cirurgia. Infelizmente, a medida em que Charlie vai se tornando inteligente, ele começa a questionar diversos aspectos de sua vida. Sua inteligência emocional não cresce de maneira proporcional e o mesmo se torna um homem apático e altamente cético que se torna obcecado pelo conhecimento. Obviamente, quanto mais Charlie aprende, mais se decepciona com o mundo que vive e as pessoas que fazem parte da sua vida. Tarefas simples se tornam verdadeiros discursos existenciais para Charlie que começa a se considerar melhor que as outras pessoas por ser "mais inteligente" e possuir uma ampla ganha de conhecimentos.

Foto: Gabriel Ferrari

O livro é uma verdadeira surra pois levanta debates sobre fé, política, religião, corrupção e filosofia, enquanto Charlie mergulha em memórias e revisita traumas de sua infância e adolescência em meio as novas descobertas que sua inteligência permitiram alcançar. Aqui é apresentado o verdadeiro propósito do livro: É possível medir sua inteligência a partir dos conhecimentos que você possui? Até que ponto a ciência deve e pode intervir no intelecto humano? Como mencionei mais acima, Charlie ainda vive sob os fantasmas de sua infância difícil e do tratamento que recebia de sua mãe, que não aceitava um filho "retardado, preguiçoso e perigoso" em sua família. Ela utiliza exatamente essas expressões e são passagens bem obscuras da obra enquanto sua mãe levava Charlie para diversos médicos na tentativa de reverter esse quadro. Obviamente ler todas essas experiências sob a perspectiva doce, inocente e infantil de Charlie torna o processo ainda mais doloroso e por diversos momentos precisava interromper a leitura por me sentir extremamente mal. Torno a frisar que Flores Para Algernon aborda muitos outros temas e é uma leitura muito poderosa, densa e reflexiva. Eu acabei com meus post-its de tantas frases que marquei.

O que é correto? É irônico que toda a minha inteligência não me ajude a resolver um problema assim.

Em suma, é um livro arrebatador, porém, apesar dessa ótima história, eu me vi numa relação de amor em ódio com Flores Para Algernon: Em alguns momentos a narrativa pode se tornar extremamente chata e massante, eu diria até difícil para ler. O romance é todo escrito de maneira epistolar, ou seja, através da visão do Charlie que escreve relatórios de progresso, vemos como as coisas eram antes da cirurgia, todo o processo de aprendizado após e os efeitos colaterais. Como mencionei, Charlie começa o livro com sérios problemas de aprendizagem e o mesmo se reflete em sua escrita: Os primeiros relatórios de Charlie não possuem qualquer concordância entre as frases, coerência ou pontuação (como a primeira frase que destaquei na resenha pra vocês). Seu vocabulário é bem limitado, além de não saber escrever muitas palavras e as mesmas são escritas da maneira que se fala. Particularmente, achei genial por parte do autor, pois passa ainda mais verdade para a obra. Com o tempo, Charlie vai se desenvolvendo e sua escrita se torna correta e formal, até se transformar em uma narrativa altamente complexa e rebuscada. Nesse ponto aqui não posso deixar de citar o capricho e empenho da Editora Aleph no belíssimo trabalho de tradução e diagramação da obra, que além da capa belíssima, ainda é em capa dura. Eu imagino a dificuldade que tenha sido adaptar essa narrativa para o nosso idioma, mas vocês fizeram um excelente trabalho.

Foto: Gabriel Ferrari

A história, apesar de imersiva e emocionante, consegue ser um tanto quanto monótona em alguns pontos e em certos momentos você é pego por um sentimento de incerteza por justamente não saber para qual caminho o livro irá enveredar. Como já era esperado, o final desse livro é totalmente desesperador e de cortar o coração e não existem palavras no mundo que pudessem me ajudar a passar pra vocês o que senti ao ler as páginas finais. Mais uma vez, a mescla entre diálogos poderosos, uma história densa e a ótima narrativa de Daniel tornam Flores Para Algernon uma leitura excepcional e extremamente necessária. Enquanto visitava algumas passagens do livro que marquei pra fazer trazer a resenha aqui pra vocês, não pude deixar de me emocionar mais uma vez e entrar em um estado de introspecção pessoal. Charlie é um personagem emblemático e muito importante, pois, mesmo que indiretamente, você começa a se identificar com os questionamentos abordados.
Nada nas nossas mentes realmente vai embora. A operação o cobrirá com um véu de educação e cultura, mas emocionalmente ele estava ali assistindo e esperando. 

Flores Para Algernon é um daqueles livros que não é possível um meio termo. Apesar de uma leitura difícil e altamente carregada de sentimentos e reflexões, é aquela obra que você leva no coração e é impossível não se emocionar ou compadecer com os personagens. Com certeza daqui uns anos farei uma releitura da obra sabendo que irei interpretá-lo de uma maneira diferente do que a que fiz hoje e irei conseguir retirar novas lições e ensinamentos. É o tipo de livro que após finalizar, surge aquele sentimento de que nunca mais farei uma leitura como essa. Uma obra singular e única.

Nota: 4,0 / 5,0



Nos vemos na próxima semana!

Compre Flores Para Algeron: Submarino | Amazon 



  1. Eu já tô emocionada com a resenha, se ler vou chorar com certeza
    Que tenso hein, que mãe e que história!
    Acho que é ótima para sair de momentos de marasmo mesmo, dá um chacolhão na nossa vida

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Gabriel! Esse foi um dos meus livros favoritos que li ano passado. Li bem no finalzinho do ano e já estou pretendendo reler em breve. Que livro arrebatador! Eu não esperava uma leitura tão intensa e reflexiva assim, principalmente porque mergulhei nela sem saber muita coisa, nem mesmo a premissa. Concordo que em algumas partes a leitura se tornou um tanto monótona, mas refletiu muito a situação do próprio Charlie e também me fez respirar em meio a um turbilhão de emoções, rs. Como você mesmo disse, esse é um livro extremamente triste e bonito, e também o considero essencial. Indico pra todo mundo! rs. Ótima resenha, bjs.

    http://abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi,tudo bem ?

    Não conhecia o livro e fiquei maravilhada não somente com a proposta, mas por ele manter uma reflexão necessária e tocar os seus leitores. O livro me pareceu ser bem construído, com uma história emocionante, além de ter quotes incríveis... você soube ressaltar muito bem os pontos altos da obra e expor seu ponto de vista. Com toda certeza está é uma ótima indicação e irei conferir o valor da obra via Amazon.

    ResponderExcluir