Nada Escapa a Lady Whistledown | Resenha

5 de dez de 2018
Foto: Cecília Justen

Ei! Tudo bem?
Espero que sim :)

Podem falar, eu sei que demorou muito (desde o lançamento até hoje) para a resenha do segundo livro de Lady Whistledown sair aqui no blog. Não tenho nenhuma desculpa relevante, por isso, nada melhor do que pular minha introdução e ir direto para mais uma postagem sobre a melhor fofoqueira de romances de época.

Nada Escapa a Lady Whistledown - Julia Quinn, Mia Ryan, Suzanne Enoch, Karen Hawkins 

Sinopse: Julia Quinn encanta... A alta sociedade está em polvorosa, afinal a debutante mais promissora da temporada foi rejeitada por seu pretendente, apenas para ser conquistada em seguida pelo charmoso irmão mais velho do canalha que não a quis. Suzanne Enoch fascina... Um futuro noivo fica sabendo que o comportamento escandaloso de sua bela prometida foi parar na coluna de lady Whistledown e volta correndo para Londres com o intuito de ganhar o coração da moça de uma vez por todas. Karen Hawkins seduz... Um conhecido libertino tem sua amizade mais antiga e seu coração postos à prova quando uma adorável dama se encanta por outro cavalheiro. Mia Ryan delicia... Uma jovem é despejada da própria casa por um detestável – embora charmoso – marquês que pretende tomar posse não apenas do imóvel, mas também de sua antiga moradora.



Foto: Cecília Justen

Páginas: 320 | Autor(a): Julia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins e Mia Ryan | Editora: Editora Arqueiro | Gênero: Romance de Época

Esta obra não possui ligação alguma com seu antecessor, Lady Whistledown Contra-Ataca, mas sintam-se a vontade para ler a resenha feita no blog e o livro.

Assim como feito anteriormente, essa resenha é divida nos 4 contos que o livro possui e mais uma parte extra com a minha conclusão de toda as histórias.

Os contos podem ser lidos separadamente.

[Conto 1] Um Amor Verdadeiro - Suzanne Enoch

"- Se espera que eu me renda - disse ela, a voz ligeiramente trêmula -, caberá ao senhor convencer-me.
Maximilian sorriu.
- Que comece a batalha."

Lady Anne Bishop tinha apenas 3 dias de idade quando fora prometida a Lorde Halfurst. Entretanto, 19 anos depois eles não mandaram uma carta e ainda não se conheciam, o que dava a Anne certa liberdade em seus passeios, apesar de ser "comprometida".

Ela sempre fora uma menina agitada e muito amiga, então aceitou diversos convites para passeios, até mesmo de homens que não a estava cortejando. Isso alertou Lady Whistledown que fez uma matéria especial para Anne falando sobre sua "liberdade", mesmo sendo comprometida desde pequena.

Isso despertou completamente Lorde Halfurst que vivia escondido em sua propriedade em Yorkshire. Assim então, correu até sua prometida. Porém, as coisas não saíram como o imaginado. O plano de Max era simplesmente "capturar" Anne, mas ela não o queria, afinal, não o conhecia, não se falaram, e ela não havia se prometido a ele.

A jornada de Max parece completamente perdida, principalmente por precisar voltar a Yorkshire e Anne detestar o local, mas sua personalidade o encanta e agora ele precisa a conquistar o mais rápido possível para conseguir voltar até sua propriedade.

Essa é uma história muito bonitinha, confesso, mas meio decepcionante. Suzanne não escreveu o meu favorito no livro anterior, e também não escreveu nesse, porque em ambas as histórias as coisas parecem meio superficiais.

A maior questão de um conto é tentar passar tudo em poucas páginas e não cair na superficialidade, mas infelizmente Suzanne não conseguira a proeza. Porém, nem tudo foi perdido. Eu gostei muito dos dois personagens e, principalmente, da convicção de Anne em seus desejos. Max também é muito especial, mesmo que na primeira "cena" ele tenha parecido como um cara bem babaca.

Não acredito que tenha sido a melhor opção para se começar a história, pois fraqueja o leitor a continuar. Entretanto, estou muito ansiosa para ler os outros contos e continuar me apaixonando.

[Conto 2] Dois Corações - Karen Hawkins 

"Ele pegou a mão dela e tirou sua luva, expondo os dedos. Longos e elegantes, não levavam nenhum adorno, mais uma característica que era só dela. Ele levantou a mão e roçou os lábios nos nós dos dedos dela, saboreando o calor da pele contra a sua boca."

Meg, Liza e Royce são melhores amigos desde sempre, querem o bem um do outro e nunca deixam o próximo sozinho. Como Meg e Royce são irmãos, a proteção em Liza ficou em dobro e, mesmo com sua excentricidade de vestir o que pensa e não seguir os padrões da sociedade, são esses irmãos que vão afastar os pretendentes da jovem. Entretanto, é quando Liza decide se casar com Lorde Durham que Royce percebe que sua garota favorita não estará mais perto e ele precisará dividir sua atenção com outro homem. Assim, Royce se dispõe a virar um verdadeiro babaca para afastar Durham de Liza, que ele ainda não sabia, mas se tornaria o grande amor de sua vida.

Se o conto anterior não me empolgou para continuar a obra, esse conto não me empolgou para terminar a história. Karen tinha tudo em suas mãos, um romance convincente e com personagens que poderiam mudar completamente a minha visão sobre os típicos romances de época, mas não usou nada disso.

Liza já tem 31 anos, então não temos a mocinha de sempre de 19 anos, e é extremamente peculiar. Não possui os modos que a sociedade londrina gostaria e usa todas as combinações bizarras que ela vê pela frente. Isso tudo, para mim, é muito importante ser retratado em uma obra que fala sobre o passado em que as mulheres eram presas (eu sei que isso ainda acontece atualmente, mas menos) em uma imagem de perfeição em que homens a colocavam, e Liza foge completamente disso. Porém, a protagonista é extremamente irritante! Com uma personalidade de menina fútil que ama comprar roupas e não se importa com Meg e Royce, que são sua única família.

Já os irmãos são maravilhosos. Meg é uma personagem secundária muito simpática e que agrada todos os leitores. Royce, apesar de patife, é mais feminista que nossa principal. Ao contrário dos outros personagens da história, Royce percebe que Durham quer mudar a personalidade de Liza para agrada-lo, quer a afastar de sua casa e não aceita que ela use de seus dotes para sustenta-los, mesmo que isso os leve a não ter o que comer. Liza não vê relevância no assunto, sua maior vontade, mesmo com toda a personalidade que tinha tudo (tudo!) para ter uma opinião diferente sobre o tema, é casar logo e, sua única objeção, é que o homem seja educado e gentil. Particularmente não vejo gentileza em que não dá liberdade de expressão, mas...

O conto roda em pontos negativos, porém, estou mais empolgada para a finalização do livro do que antes. A próxima história é de Mia Ryan e, de verdade, eu acredito bastante em sua escrita e no seu jeito de conduzir contos.

[Conto 3] Uma Dúzia de Beijos - Mia Ryan

"Então o sorriso de lorde Darington se alargou e ela percebeu que ele estava rindo.
Miserável!
Linney engoliu em seco e desejou com todas as forças que ele explodisse em chamas e voltasse para as profundezas do inferno, que era, obviamente, de onde tinha saído."

Lorde Darington é um ex-soldado de guerra que ganhou seu título depois que seu primo de quarto grau morreu, deixando sua esposa e filha, lady Caroline Starling. Três anos depois de serem expulsas as pressas, Caroline finalmente conhece o lorde que a deu dois dias para sair de casa e procurar outro lugar. Entretanto, ele não é nenhum pouco parecido com quem achou que ele seria, assim Linney se depara com um homem extremamente apaixonante e que vai se mostrar um verdadeiro cavaleiro.

Quando eu disse anteriormente que eu poderia confiar na escrita de Mia eu falava a verdade. Seu conto é lindo e tão carinhoso que é impossível não terminar amando o casal.

Lorde Darington tem sua pose de ogro e passa uma imagem de pretensioso, mas isso tudo se deve ao seu passado de guerra, que o fez ter uma pequena paralisia, assim as palavras demoram muito tempo a saírem de sua boca, o que é engraçado já que Linney não entende a razão do lorde ser tão devagar. Falando em Caroline, eu amei a personagem e seus gatos, sua personalidade é forte e muito bem construída, mesmo que em poucas páginas.

E sobre poucas páginas, Mia tem o menor conto do livro inteiro, então acho que essa seja a razão da história passar muito rápido, mas também não acredito que tenha interferido na construção do romance dos personagens que foi de longe o melhor da obra até agora.

[Conto 4] Trinta e Seis Cartões de Amor - Julia Quinn

"De seu assento no camarote ao lado do dela, David se viu assistindo a Susannah mais do que à peça. Ele já havia assistido O Mercador de Veneza em diversas ocasiões e, embora estivesse vagamente ciente de que o Shylock de Edmund Kean era um espetáculo incrível, não se comparava ao brilho dos olhos de Susannah Ballister enquanto ela assistia à representação."

Clive e Susannah passaram quase uma temporada se cortejando, por isso, quando Clive foi visto comprando um anel de casamento, era claro que as apostas estavam em cima da senhorita Ballister, porém, não fora isso que acontecera. Devastada, Susannah se isola da sociedade londrina para voltar um ano depois. Ainda sim, sua infelicidade do ano anterior é comentada, principalmente quando Clive e sua esposa passeiam e frequentam os mesmos bailes que a senhorita Ballister. Percebendo o incomodo de Susannah, David, irmão de Clive, conde e representante da família, decide pedir desculpas e ajudar Susannah a entrar novamente na sociedade sem ser vista como uma coitada. Entretanto, David não imaginava que a antiga paixãozinha de seu irmão fosse uma mulher incrível e que ele logo se apaixonaria por ela.

Posso dizer que a obra começou de um jeito ruim, mas terminou com o melhor conto de todo o livro. Julia Quinn é sempre uma Rainha e não me desapontou em nenhum momento, na verdade, a cada passada era uma nova alegria.

Seus personagens são irônicos e sarcásticos, com personalidades peculiares e que nos faz abraçar cada um deles. Com um grande espaço para escrever, Quinn conseguiu construir perfeitamente a relação dos protagonistas e a única revolta é não ter mais um pouco deles para nos deliciarmos.

Assim, posso dizer que a história termina de um jeito emocionante em que a mocinha toma partido da relação e a obra no geral passa a agradar muito mais.

Conclusão

No geral, achei o anterior muito melhor. Os personagens e histórias são mais legais e a maior vontade é de ficar pertinho deles, o que não acontece nesse livro. Outra questão relevante e que faz com que esse livro perca pontos é o plano de fundo. Enquanto no anterior nós tivemos os contos entrelaçados por um roubo de uma pulseira, nesse as histórias só se ligam porque todos os casais participam dos mesmos eventos. Isso me decepcionou bastante, pois esperei algo completo, como no primeiro livro.

Mas apesar dos meus comentários em maioria serem de negação, quero dizer que os dois últimos contos me surpreenderam de verdade e eu não os trocaria e não mudaria uma vírgula, o que é aliviante. Por eles, indico plenamente a obra.

"Gostaria de beijá-lo pelo menos uma dúzia de vezes."

Nota: 3/5 ♥
*Livro cedido em parceria com a Editora*

Compre Nada Escapa a Lady Whistledown | Amazon | Saraiva

Um beijo e paz no coraçãozinho de vocês! ✩

6 comentários:

  1. Oi Cecília.
    Eu não gosto muito de contos e não sei se leria esses mesmo sendo da Julia Quinn. Gostei bastante da sua resenha.
    Beijos.
    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Jessica!

      Eu entendo sua questão com os contos, nem sempre eu gosto.
      Obrigada :)

      Beijos!

      Excluir
  2. Olá! Que bacana um livro que reune histórias de várias autoras conhecidas dentro do gênero. A ideia é bem legal. Uma pena que você não gostou desse tanto quanto do primeiro. Também gosto quando contos têm alguma relação entre eles, me sinto meio investigativa, tentando ligar os pontos, rsr.

    Beijos,
    Isa
    taglibraryisa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Isa!

      Eu também fiquei bem triste, estava empolgada para a obra e ela me decepcionou, mas continuo indicando a leitura, porque alguns casais valem a pena :)

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi, Cecília! Não sou a maior fã de contos, mas isso não se aplica quando estamos falando de romance de época. Comprei o primeiro livro no kindle e estou lendo aos pouquinhos. Sempre quando uma ressaca literária bate na porta, leio um conto e tudo fica bem, então amei esse formato! Rs. Se eu não me engano falta 1 conto só para terminar aquele livro, então já estou de olho neste aqui. Gostei muito da sua sinceridade com relação aos contos, por serem histórias mais curtinhas, é necessário tomar muito cuidado para não cair na superficialidade. Mesmo assim, são histórias que pretendo conferir, principalmente o da Julia "Queen", porque você me deixou empolgada para conhecê-lo. Fiquei até mesmo com vontade de ler o último conto lá do primeiro livro pra chegar logo neste hahaha. Amei a resenha <3 beijos.

    http://abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Gisele!

      Eu gostei muito do primeiro livro e foi por causa dele que mudei minha ideia com contos, como você fez. Contos de romance de época são incríveis para sair da ressaca literária. Infelizmente não gostei tanto quanto o anterior, mas fico feliz em saber que você gostou da minha sinceridade e vai dar chance aos contos desse livro, principalmente o da Queen, que é o melhor :)

      Beijos!

      Excluir