A Fênix de Fabergé | Resenha

18 de out de 2018
Foto: Cecília Justen

Ei! Tudo bem?
Espero que sim :)

Respeitável leitor, você não imagina como eu estou nesse momento, extremamente ansiosa para compartilhar esse livro com vocês. Faz meses que eu não termino de ler uma obra e já tenho vontade de sair correndo por aí para contar cada detalhe a quem lê o blog. E o que deixa meu coração mais cheio é o fato de ser uma literatura nacional, então venham comigo que eu preciso mostrar para vocês um pouco do mundo russo e circense.

A Fênix de Fabergé - Sue Hecker e Cassandra Gia

Sinopse: Desde que perdeu o pai em um incêndio no circo em que trabalhavam, Aleksei Ivanovich Markov ficou marcado para sempre, no corpo e na alma. Seu maior desejo é vingar-se do homem que devastou sua família. Quando o encontra, convicto de que nada nem ninguém o demoverá de seus planos, Aleksei conhece Kenya, uma bela jovem, também ligada ao seu passado trágico. Um romance intenso desenrola-se entre os dois, porém, amargurado pelo rancor, Aleksei tem sede de vingança. Muito mais do que ajudar Kenya a se libertar de um pai abusivo, ele terá que superar suas dores e, tal qual a fênix, renascer das próprias cinzas, a fim de evitar mais destruição. Como um ovo Fabergé, recheado de surpresas, talvez assim possam viver um amor que os levará — ou não — ao êxtase.


Foto: Cecília Justen

Páginas: 320 | Autor(a): Sue Hecker e Cassandra Gia | Editora: Editora Harlequin | Gênero: Romance Erótico/New Adult

Adrik é um verdadeiro monstro. O ex-domador de leões do Circo Gorkov destruiu a família e a própria vida de Aleksei Ivanovich Markov em um incêndio horrível quando Aleksei ainda era pequeno e trabalhava com o pai no circo. Anos depois, com sede de vingança, Aleksei tem seu próprio circo e, com ajuda dos ex-integrantes do Circo Gorkov, decide contratar a talentosa Kenya, uma jovem contorcionista, filha de Adrik. Ela seria o caminho para que o homem cruel fosse preso.

Entretanto, Aleksei não esperava se apaixonar por Kenya e descobrir que ela é apenas mais uma sofredora na mão do pai que a trata com ignorância e a abusa psicologicamente. Com mais raiva, Aleksei quer não só proteger sua amada, mas também ver Adrik preso por suas crueldades. Porém, essa missão parecerá cada vez mais complicada e seu romance com Kenya pode estar por um fio.

"- Podemos fazer qualquer coisa nesta vida, Kenya, desde que estejamos seguros conosco... se você quer algo lute para a ter e a agarre com força."

Preciso de ajuda, porque não sei por qual caminho começar de tanto o que gostaria de falar sobre essa história que é apaixonante, tensa e muito sensual.

É meu primeiro contato com Cassandra Gia e meu segundo com Sue Hecker. A última autora citada já apareceu aqui no blog com Pertinácia, um livro que recebeu nota 3 e, por pouco, não coloquei um 2. A Fênix de Fabergé era uma obra que eu estava tentando passar bem longe, mas por algum motivo eu decidi tomar coragem e ignorar a minha leitura anterior de Hecker, foi a melhor coisa que eu fiz, porque a história de Aleksei e Kenya é incrível (não há forma melhor de explicar).

"Essa mulher será minha morte. Ela está derrubando todas as minhas barreiras e levando-me cada vez mais em direção ao chão, de joelhos diante de sua maturidade e candura."

Se for para começar com alguém, que eu comece com Aleksei, a personagem mais trabalhado e desenvolvido na obra, com problemas reais e que é impossível você não se solidarizar com ele. Ademais, o cara tem mil facetas dentro do circo além de ser um administrador excelente, ah!, você vai se apaixonar por todas as formas que Aleksei pode apresentar. Já terminei de ler querendo mais um pouco desse homem maravilhoso e apaixonante. Todos, até os que possuem coração mais duro, vão gostar dele, porque ele é real e não fictício então você vai querer cada pedacinho. Assim como Kenya, que assim que conhece Aleksei se apaixona.

Falando na contorcionista, Kenya pode ser uma mocinha que vai estar na beira de te irritar e levar qualquer leitor à loucura, mas ela é sensata, e o que falta no mundo literário são personagens sensatas como ela. Sem "mimimi" ou motivos vagos, Kenya é uma personagem brilhante e que vai agradar a todos. Seu passado é triste e, como qualquer pessoa que vive em um relacionamento abusivo (vamos lembrar aqui que relacionamento abusivo pode ser entre pai e filha, chefe e empregado, e não só entre namorados como os livros estão acostumados a falar), ela não tem ideia que o que ela está passando é errado e a faz ser tão maltratada e retraída. Sua vida ela passou fugindo, por causa dos crimes do pai, e tendo que fazer trabalhos humilhantes de contorcionista para poder dar dinheiro a Adrik que nem se quer comprava roupas para filha.

Quando Kenya e Aleksei se juntam, tudo parece que vai finalmente dar certo para os dois, mas é claro que ambos possuem segredos e isso complica várias coisas no relacionamento, porém, como disse, eles são sensatos e isso é tudo o que a obra precisava para me agradar ainda mais, estava cansada de casais que brigam e terminam por motivos fúteis e que poderiam ser revertidos com uma simples conversa, como na realidade, inclusive. Além disso, esse é um par com uma sintonia perfeita e todas as cenas (não estou falando apenas das eróticas) eles conseguem passar verdade nos sentimentos e emoções.

O maior ponto de divergência entre eles é em relação à Adrik, porque apesar de Kenya em algum momento perceber que o pai é extremamente abusivo, ele ainda a criou e seu sentimento de vingança não é no mesmo estilo que Aleksei, ela quer, na verdade, justiça, e são coisas bem diferentes. Sensatos como são, até nesse ponto eles conseguem achar um equilíbrio para as opiniões diferentes.

Mas uma coisa que tanto o leitor quanto as personagens sentem em comum é: ódio por Adrik. Sabe o vilão dos contos de fadas? Pois é, mas ele é bem pior, posso garantir isso a você. Não quero dar nenhum spoiler, até porque eu espero que alguém dê uma chance a obra, então serei bem vaga ao falar sobre esse cara que é tão cruel que chega a ser revoltante. No final da história eu já estava arrancando os cabelos para que ele fosse de fato punido, porque ele, mais do que ninguém merecia.

Até maldades ele fez com as personagens secundárias, que são pessoas retratadas de forma tão carinhosa que senti que eles eram meus amigos mais próximos, quis conhecer cada um, mas me toquei que é uma ficção.

"Meu corpo clama pelo seu, minha língua precisa provar seus lábios e minhãs mãos contornarem essa obra de arte que é seu corpo."

Outra questão que me agrada muito na história é o cenário, que é todo voltado para o mundo do circo. Como dançarina e amante da magia circense, eu não só me senti representada ali, como também me senti parte da trama e consegui me envolver facilmente. Foi mesmo mágico e palpável todo o sentimento e a essência do que as autoras queriam passar. Para vocês terem noção, eu terminei de ler e a minha vontade era de sair correndo e assistir mais coisas voltadas ao circo e ver, até mesmo, uma apresentação de dança ou um espetáculo circense.

As autoras também trabalharam com maestria a cultura russa. Como boa parte dos personagens são russos ou descendentes de russo (vocês podem perceber isso pelos nomes dos principais), a cultura do país é representada e de forma brilhante. Todos os detalhes são explicados, as comidas são descritas de forma nítida e muito vocabulário é aprendido.

O mais legal do ponto anterior é que a história se passa no Brasil (em várias cidades já que o circo nunca para), então ao mesmo tempo em que a gente conhece a cultura de outro lugar, a gente recebe toda a brasilidade que faz o nosso país ser tão querido por nós e por estrangeiros.

"Que ironia, não é mesmo? No passado o pai dela foi responsável por eu ter me queimado e, hoje, eu por fazê-la queimar."

Se você, caro leitor, achava que eu não ia continuar elogiando, você está muito enganado, porque eu preciso - necessito - falar sobre o final. É claro que teríamos uma pontinha (pontinha mesmo) de clichê nessa história, mas temos também tantas revelações e mistérios que vão sendo resolvidos que parece romance policial, então o óbvio de sempre passa despercebido. As últimas páginas são de tirar o fôlego e, se não desse para odiar mais Adrik, você descobre que ainda é possível sim falar mal do cara.

A obra vai terminando e te deixando com gostinho de quero mais, além de te dar muita ansiedade e causar uma série de nervosos em relação à próxima página.

"Ele me olha e faz com que cada poro do meu corpo se sinta vivo."

Ufa! Estou me despedindo dessa resenha assim como me despedi do livro, com o coração na mão e cheia de saudades. Mas antes de ir de vez, preciso falar mais um pouquinho sobre as autoras. Cassandra Gia, um nome até então desconhecido para mim, se mostrou uma escritora nata. Sue Hecker, se por algum motivo louco você ler essa resenha, saiba que você foi uma surpresa muito boa para mim e para a minha tarde de domingo.

E, respeitável leitor, espero que vocês tenham sentido um pouco da minha emoção, da emoção da história e do circo. Acredito que todos devam dar uma chance a obra, pois além de tirar o fôlego de quem lê, adiciona muitas coisas legais a vida.

"- Como a fênix, sou um homem renascido das cinzas. Como presente maravilhoso que um ovo Fabergé guarda, minha vida tornou-se uma surpresa em termos de superação e de sucesso no ramo de trabalho que sempre amei. Para coroar tudo isso, encontrei minha maior riqueza dentro da matryoshka, que representa a mãe que nutre e acalenta: você minha devushka Kenya!"

Nota: 5/5 ♥ 
*Livro cedido em parceria com a Editora* 

Compre A Fênix de Fabergé | Amazon | Saraiva

Um beijo e paz no coraçãozinho de vocês! ✩




8 comentários:

  1. Que delícia de resenha! Eu que fiquei com o coração cheio de emoção. Obrigada, pelo carinho e confiança em nosso trabalho. Estou encantada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma honra te achar no meio dos comentários, meu coração explode e eu tenho vontade de chorar de alegria, Sue. Obrigada você :)

      Excluir
  2. Excelente Artigo !! Eu estou adorando visitar blog, sempre tem conteúdo de muita qualidade .... São muitos legais, e interessante ....

    Parabéns !!!!

    Posso compartilhar este artigo no meu Facebook ?

    Meu Blog: Apostando na Loteria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Davi! Comentários como o seu enchem meu coração de felicidade.
      É claro que pode :)

      Excluir
  3. Oii Cecilia.
    Eu amo livros brasileiros que respeitem nossa brasileirice e se passem nesse país. Me identifico.
    Sobre a obra em si, nunca tinha ouvido falar mas a temática me atrai muito porque acho o máximo essa coisa de circo. Amei sua resenha.
    Beijos.

    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  4. Oie!

    Que delícia de resenha!! E eu senti sim toda sua empolgação.
    Eu adoro esse cenário circense e quase não vejo em muitos livros, gostei!!
    Outro ponto é se passar no Brasil, adoro histórias em nosso país.
    Conheci o livro hoje e me interessei.

    bjs
    Fernanda

    ResponderExcluir
  5. Oi Cecília, eu já vi resenhas sobre o livro que foram positivas mas essa é a primeira recheada de amor. Adoro ler uma resenha assim, é maravilhosa essa sensação de ler algo que mexe com a gente e nos toca, quando entramos num universo que não queremos sair e fica até difícil de se despedir. A trama desse livro é bem interessante, gostei de saber desses aspectos circenses presentes na obra e por retratar tanto a cultura russa como brasileira.

    Pretendo ler em breve!
    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Ceci! Estou apaixonada pela sua resenha!
    <3 Adoro histórias que tem vingança como pano de fundo, mas o que me cativou de verdade foi toda a atmosfera circense. Acho que nunca li um livro com esses elementos, então fiquei muito curiosa! Os personagens também parecem ser incríveis. Tudo o que você colocou me deixou extremamente interessada na história. Até suas fotos, estão lindaaaas! Com certeza vai para lista de desejos. Parabéns!

    Beijos,
    http://abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir