[Duologia] Agentes da Coroa | Resenha

17 de set de 2018
Foto: Cecília Justen

Ei! Tudo bem?
Espero que sim :)

Decidi trazer para vocês mais uma junção de resenhas de uma série, assim como fiz com a trilogia de Cinquenta Tons de Cinza. Dessa vez é um Romance de Época da Julia Quinn, a nossa rainha do gênero. 

No blog, vocês podem encontrar resenha dos dois livro da duologia Agentes da Coroa, em que temos as histórias voltadas a personagens que possuem ligação com o Departamento de Guerra. Ambos receberam nota 5/5 quando foram resenhados, então fico muito feliz em compartilhar com vocês uma série que espalhou o Efeito Quinn.



Como Agarrar uma Herdeira - Livro 1 
Autor(a): Julia Quinn
Páginas: 304
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de Época
Nota: 5/5
Compre Como Agarrar uma Herdeira | Amazon | Saraiva
Sinopse: Quando Caroline Trent é sequestrada por engano por Blake Ravenscroft, não faz o menor esforço para se libertar das garras do agente perigosamente sedutor. Afinal, está mesmo querendo escapar do casamento forçado com um homem que só se interessa pela fortuna que ela herdou. Blake a confundiu com a famosa espiã espanhola Carlotta De Leon, e Caroline não vai se preocupar em esclarecer nada até completar 21 anos, dali a seis semanas, quando passará a controlar a própria herança milionária. Enquanto isso, é muito mais conveniente ficar escondida ao lado desse sequestrador misterioso. A missão de Blake era levar "Carlotta" à justiça, e não se apaixonar por ela. Depois de anos de intriga e espionagem a serviço da Coroa, o coração dele ficou frio e insensível, mas essa prisioneira se prova uma verdadeira tentação, que o desarma completamente.

Caroline Trent é dona de uma herança que é digna de respeito, tendo em mente que seu pai era apenas um comerciante. Por isso não é nenhuma novidade que seu tutor faz de tudo para que ele consiga botar suas mãos nesse dinheiro. Quando digo tudo, falo sobre tudo mesmo. Oliver Prewitt é tão ganancioso que obrigou o filho, Percy, a se casar com sua tutelada. Entretanto, a última coisa que os dois querem é se casar, então em mais um ato de violência, Oliver obrigada Percy a tentar engravidar Caroline, ao contrário, ele mesmo fará isso. E é em uma quarta-feira que Oliver libera todos os seus criados para que seu filho possa estuprar Caroline e ninguém ouça seus berros. O que Percy não esperava era que a moça fosse atirar nele até que o mesmo não pudesse fazer nada. Entrando em um acordo então, Caroline pega seus poucos pertences e foge de sua "casa".

Do lado de fora, Blake Ravenscroft está prestes a capturar Carlotta De Leon que supostamente estaria saindo da casa de Oliver, seu comparsa em crimes, o único problema é que ele ainda não conhecia o rosto da espanhola. Sendo aquela sua última missão como um Agente da Coroa, Blake decidiu dar tudo de si para finalmente se ver livre do Departamento de Guerra. E é assim que Caroline é sequestrada.

Sem saber que estava com a garota errada, Blake não é nenhum cavaleiro com a suposta Carlotta, afinal, a mesma está passando informações importantes ao governo francês. E diante de toda aquela situação, Caroline não parece com tanta vontade assim de contar a verdade, já que é melhor ficar na casa de um Agente da Coroa do que na rua tendo risco de ser violada a qualquer momento. Ela só precisava manter essa farsa por seis semanas, depois disso, ela poderia receber sua herança e viver feliz. Blake, por outro lado, só precisava de informações. O que nenhum dos dois precisava, era se apaixonar.

Esse livro não foi o melhor livro da escritora, mas isso não quer dizer que tenha sido ruim, ao contrário, fiquei completamente apaixonada pela história! No início, eu achei que a história fosse passar rápido demais, mas eu estava completamente enganada. Esse pensamento surgiu porque logo no início Blake descobre quem Carlotta realmente é, ele descobre que pegou a garota errada. E por esse não ser um livro tão pequeno, eu achei que Julia fosse enrolar o resto do livro, afinal, agora o maior mistério já tinha sido revelado. Entretanto, Quinn contou o que tinha que ser contado na hora certa, se ela tivesse demorado mais um pouco para mostrar que Caroline era Carlotta, o livro não teria sido tão bom, afinal, é a partir do momento em que o segredo é revelado, que o casal começa a se conhecer de verdade e é aí que os dois começam a se apaixonar.

Obviamente, por conhecermos o lado de um Agente da Coroa, temos a presença de cenas perigosas que vai te deixar ansioso para o desenrolar. E o que eu mais gostei disso tudo é que normalmente os escritores que não são do gênero suspense, romance policial, terror e afins, eles não conseguem descrever por tanto tempo e fazer cenas tão boas de ação, mas eu simplesmente amei todas as vezes que Julia decidiu botar uma pitada de ação nos confrontos. Essas cenas não eram vagas e simples, eram surpreendentes e repletas de informações.

Amei como foi construída a relação dos dois principais. Foi algo verdadeiro e palpável, coisa que eu não consigo ver muito em algumas obras do gênero. No início não existia amor, depois veio amizade e aí sim eles começaram a sentir algo mais forte. Foi muito bonito ver como foi crescendo cada sentimento. Foi visível, de verdade. Eu senti assim como cada um deles e isso fez com que o livro arrasasse o meu coraçãozinho apaixonado. Os sentimentos foram surgindo e você lia exatamente o motivo para aquilo, não foi algo inexplicável, as coisas iam acontecendo e no final, era amor.

Como se Casar com um Marquês - Livro 2
Autor(a): Julia Quinn
Páginas: 320
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de Época
Nota: 5/5
Compre Como se Casar com um Marquês | Amazon | Saraiva
Sinopse: Elizabeth Hotchkiss precisa se casar com um homem rico, e bem rápido. Com três irmãos mais novos para sustentar, ela sabe que não lhe resta outra alternativa. Então, quando encontra o livro Como se casar com um marquês na biblioteca de lady Danbury, para quem trabalha como dama de companhia, ela não pensa duas vezes: coloca o exemplar na bolsa e decide encontrar um homem qualquer para praticar as técnicas ensinadas no pequeno manual. É quando surge James Siddons, marquês de Riverdale e sobrinho de lady Danbury, que o convocou para salvá-la de um chantagista. Para realizar a investigação, ele finge ser outra pessoa. E o primeiro nome na sua lista de suspeitos é justamente... Elizabeth Hotchkiss. Intrigado pela atraente jovem com o curioso livrinho de regras, James galantemente se oferece para ajudá-la a conseguir um marido, deixando-a praticar as técnicas com ele. Afinal, quanto mais tempo passar na companhia de Elizabeth, mais perto estará de descobrir se ela é culpada. Mas quando o treinamento se torna perfeito demais, James decide que só há uma regra que vale a pena seguir: que Elizabeth se case com seu marquês.

Elizabeth Hotchkiss é dama de companhia de nada mais nada menos que lady Dunbury, que apesar da idade ter chegado, não deixa seu espírito agressivo acabar. E se não bastasse isso - que na verdade não é um problema para Elizabeth já que lady Dunbury é quase uma mãe para a mulher - Elizabeth ainda está tentando lidar com o sustento de seus três irmãos após a morte dos pais. E é por isso, por toda sua péssima condição financeira, que a mesma decide se casar com o cara mais rico que conseguir encontrar. Felizmente, em mais um dia na biblioteca de lady Dunbury, Lizzie encontra um livro que tem tudo para mudar sua vida. Como se Casar com um Marquês é o título.

Enquanto Elizabeth está preocupada em conseguir um marido seguindo decretos de um livro de autoajuda, lady Dunbury está sendo chantageada em anônimo, então sua reação imediata é chamar o Marquês de Riverdale, que além de ser seu sobrinho, estava recentemente no Departamento de Guerra. Logo, o mesmo chega até a casa de sua tia e começa a se passar por seu administrador, afinal, o que ele mais precisa naquele momento é um disfarce.

Elizabeth, por outro lado, está tentando disfarçar seu maior segredo: O livro. Então, se esquivando de todos, ela acaba se encontrando com James, o novo administrador da casa de lady Dunbury. Nasce ali, uma pequena confusão. Elizabeth, que está tentando esconder o livro, o que desperta a curiosidade de James, faz com que ele passasse a achar que a mesma é a chantagista de sua tia. Por isso, James tem um plano: Se aproximar de Elizabeth e desvendar seus segredos.

Da amizade, com todos os conselhos e todas as intimidades, os dois vão se conhecer cada vez mais, surgindo então, o amor. O único problema é que James é - supostamente - um administrador e Elizabeth precisa urgentemente de dinheiro. James, o único que poderia reverter essa situação, está preso a promessa que fez a própria tia de ajuda-la a desvendar o chantagista e a última coisa que ele quer é que sua amada corra riscos assim como ele.

Chegou a hora de finalmente falar sobre o melhor livro de Agentes da Coroa. Isso mesmo, você leu certo, acabei de decretar que Como se Casar com um Marquês ganha fácil de Como Agarrar uma Herdeira. Os dois receberam a mesma nota, mas o livro dois merecia o mundo todo só para ele.

Temos Elizabeth, que vence Caroline, apesar de ambas serem extremamente incríveis. Mas diferentemente da personagem do livro um, eu não fiquei com raiva em nenhum momento de Elizabeth, eu via as ações dela como ações que eu realizaria se estivesse ali. Ela é forte, destemida, muito (muito) orgulhosa, tem uma paixão enorme pelos irmãos, faz tudo por eles e isso é mais do motivo para ela ganhar admiração de alguém. E é por isso que James acaba se apaixonando por ela, por ela simplesmente ser ela e não mais uma pessoa moldada pela aristocracia.

James, o crush da minha vida literária, é o cara mais incrível que ele poderia ser. Eu não sei o que ele tem, mas ele tem alguma coisa sim, afinal, mesmo com poucas partes em Como Agarrar uma Herdeira, eu já havia gostado muito dele. Infelizmente, ele é irreal, é o personagem que não vai existir, entretanto, diferentemente das outras vezes em que li obras com esse tipo de personagem, James não é o típico mocinho, ele tem, na verdade, seus momentos de puro amor, de pura sedução e de pura raiva.

Sobre o final, gostei muito do de Como se Casar com um Marquês que ao contrário do livro um, a ação não existe. Nós não temos uma presença de armas e sangue para todos os lados. O desfecho da história é feito depois da briga do casal, não depois de uma luta. Isso mostra que Julia Quinn sabe escrever sobre o que ela quiser como ela quiser.

Agora que comentei sobre Julia Quinn, posso elegê-la novamente como a melhor escritora de Romance de Época? Ela continua arrasando nesse livro, ela trás a elegância da aristocracia, o lado sexy do personagem masculino, a parte excêntrica dos personagens secundários e a parte singular que faz a personagem principal ser quem ela realmente é.

Um beijo e paz no coraçãozinho de vocês! ✩


0 Comentários:

Postar um comentário