Com Amor, Simon | Livro X Filme

18 de ago de 2018
Por que a representatividade importa? 




Olá, pessoal! Como estão todos?

Espero que muito bem!

Mais um final de semana chegando e é incrível pensar que já passamos pela metade do mês de agosto e estamos cada vez mais próximos de 2019. Parece papo de velho, mas os dias estão se tornando cada vez mais corridos e a rotina dura. Começo o texto dessa forma pois láááá no primeiro dia de 2018 (parece que foi ontem), eu fiz uma promessa a mim mesmo que iria ler ao menos um livro por mês. Fui ingênuo, é claro. Estou dizendo isso pois lá pra fevereiro eu havia marcado a leitura do mês para Simon Vs A Agenda Homo Sapiens (gentilmente adaptado como "Com Amor, Simon"), pois sabia que alguns meses depois sua adaptação cinematográfica chegaria às telonas. Pretendia ler o livro e logo quando o filme estreasse, iria até o cinema mais próximo para conferir. Deu certo? É claro que não. Não tive a oportunidade de comprar o livro e quando o filme estreou jurei a mim mesmo que só iria assistir depois de ler a obra. Recentemente fiz uma compra de diversos livros que estava muito ansioso para ler, e é claro que Com Amor, Simon estava em minha lista. Finalizei agora pouco o filme e vim contar um pouquinho pra vocês sobre o que achei a respeito dos dois.


Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens (Com Amor, Simon) - Becky Albertalli 
Tìtulo Original: Simon Vs. The Homo Sapiens Agenda
Autor(a): Becky Albertali
Gênero: Romance, Ficção americana
Editora: Intrínseca
Ano de Publicação: 2015
Número de Páginas: 270
ISBN: 9788551003053





Simon Spier tem dezesseis anos e é gay, mas não conversa sobre isso com ninguém. Ele não vê problemas em sua orientação sexual, mas rejeita a ideia de ter que ficar dando explicação para as pessoas — afinal, por que só os gays têm que se apresentar ao mundo? Enquanto troca e-mails com um garoto misterioso que se identifica como Blue, Simon vai ter que enfrentar, além de suas dúvidas e inseguranças, uma chantagem inesperada.

"Todo mundo merece uma grande história de amor." É essa a frase que estampa a parte traseira do livro. Juntamente com os biscoitos Oreo, a simples frase sintetiza de maneira clara e precisa sobre toda a história do livro, tratando a relação entre Simon e Blue de maneira normal, sem focar em esteriótipos, levantar bandeira, fazer militância e etc. Não que tais coisas não são importantes, muito pelo contrário; contudo, é muito bom ver uma história que trata o tema com tamanha naturalidade.

Foto: Gabriel Ferrari 

Simon é um menino de dezesseis anos que não tem dúvidas a respeito de sua sexualidade, mas que nunca quis contar pra ninguém sobre, pois em sua opinião, não existe nada que ele precise "assumir" para o mundo. Ele vive em uma cidade da Georgia e a escola em que Simon estuda possui uma conta Tumblr voltada para fofocas e confissões anônimas. Um dia Simon encontra uma postagem de uma conta de um usuário intitulado como "Blue" que, dentre outras coisas, se sente aprisionado ao mundo por ser gay e não poder contar a ninguém. Simon se identifica muito com a mensagem e resolve criar uma conta fake sob o codinome de Jacques e responde Blue. A partir daí os dois começam a trocar e-mails e mensagens anônimas, um sem saber a identidade do outro. A relação entre os dois vai evoluindo a medida que vão trocando confidências, compartilhando inseguranças e fazendo companhia para o outro, mesmo que virtualmente. Os dois não faziam a menor ideia de suas verdadeiras identidades, mas isso não parecia importar. Um dia, após deixar a conta de e-mail logada na biblioteca da escola, um dos alunos da turma de Simon lê a corrente de e-mails e descobre o segredo de Simon e Blue. Martin resolve chantagear Simon a ajudá-lo a conquistar uma de suas amigas, Abby; caso contrário, ele espalharia para a escola inteira o seu segredo.

A escrita do livro é extremamente agradável e precisa. Becky sabe exatamente como cativar o leitor e mantê-lo motivado para avançar nas páginas da história de Simon, com muita simplicidade e bom humor. O livro, apesar de abordar assuntos sérios e difíceis de serem discutidos, é escrito de maneira tão envolvente e simples que passam de forma natural no livro. Os personagens são extremamente bem construídos e carismáticos e talvez seja o diferencial para a história. Os pais e as irmãs de Simon são muito divertidos e arrancaram boas risadas minha enquanto lia. 

Foto: Gabriel Ferrari

Como disse no início do texto, representatividade importa muito e "Com Amor, Simon" tira cinco estrelas nesse quesito e não me refiro apenas à questão da sexualidade de Simon ser abordada e desenvolvida de maneira tão natural. Temos personagens negros que realmente fazem parte da história e são relevantes e não apenas coadjuvantes ou personagens usados para trazer um tom cômico à trama como Abby Soto, uma das garotas mais populares da escola, Nikki e Bram Greenfeld, dois dos melhores amigos de Simon. O livro trás também Leah Burke, uma personagem fora do padrão de peso, que lida com suas próprias inseguranças. Também vemos alguns conceitos de feminismo e empoderamento que só dão um tom ainda mais real e palpável para a história.

Enquanto a história avança e tentamos junto com Simon desvendar o mistério do rosto por trás de Blue, nos identificamos com diversos temas abordados, algumas falas parecem que foram escritas para você, enquanto você ri com os e-mails ou pai piadista de Simon, se emociona com a discussões e lida com a descoberta do amor de maneira natural e simples, como torno a dizer, como sempre deveria ser abordado. 

Confesso que fiz diversas teorias a respeito de Blue e não cheguei perto de descobrir quem era; contudo, foi uma grande surpresa e eu adorei de verdade. A cada novo personagem eu tentava encaixá-lo nas pistas já conhecidas, mas não havia pessoa melhor para ser o Blue. Finalizei a leitura de "Com Amor, Simon" com aquele calorzinho gostoso no coração, um livro que me abraçou e me guiou por uma história fantástica, repleta de representatividade e quebra de padrões e a fé renovada de que estamos indo pelo caminho certo para que todos tenham os mesmos direitos, independente de cor, gênero ou orientação sexual. 

Com Amor, Simon: O Filme
Título Original: Love, Simon | Duração: 1h49 min | Direção: Greg Berlanti | Data de exibição: 13 de março de 2018

Fui cercado de expectativas para assistir ao filme. Ao ver o trailer logo após a leitura do livro, confesso que ficou um pouco óbvio pra mim quem é o Blue, mas acredito que tenha sido apenas paranoia da minha cabeça, porque conversei com alguns amigos que também assistiram ao filme e eles não faziam ideia da identidade de Blue. Ainda bem, não é? Pois bem, eu fui com a mente aberta para assistir o filme. Sabia que haveriam mudanças, afinal de contas, existem inúmeras diferenças entre uma obra literária e uma cinematográfica, mas a eterna discussão se mantém: Uma adaptação para ser boa precisa, obrigatoriamente, ser igual ao livro? Ao assistir ao filme isso ficou claro pra mim que não. Já irei me explicar.

O filme conta com algumas mudanças em relação a história principal. Algumas cenas foram cortadas e/ou alteradas para atender melhor ao universo criado para o longa, PORÉM, toda a essência do livro estava presente. O mesmo bom humor. As mesmas discussões. Os mesmos dilemas e inseguranças. Assim que os créditos sobem, meu coração está ainda mais feliz, pois senti que o filme chegou próximo do livro, com uma história grandiosa, um elenco talentoso e uma excelente trilha sonora (sério, vocês precisam ouvir.) 

Uma das principais mudanças foram os personagens: No livro, Simon possui duas irmas, Nora e Alice que já não mora mais com eles. No filme, apenas Nora aparece e não há nenhuma menção a outra irmã, que no livro possui um grande peso no desenrolar da história. A não presença da personagem, contudo, não atrapalhou o ritmo, uma vez que as lacunas foram preenchidas por outros personagens. Uma outra mudança foi a inclusão do personagem Ethan, um dos estudantes da escola, abertamente gay. Encontrei na internet um fragmento de uma entrevista do diretor que justifica a adição de Ethan a trama, deixo logo abaixo aqui pra vocês. Ah, o cachorro de Simon, chamado Bieber também mudou de raça, mas o que tem demais, não é? :)


"Queríamos que o filme fosse contemporâneo e não seria realista ter apenas um jovem lidando com sua sexualidade num grande colégio público em 2018. Ethan é uma grande adição, pois ainda gera essa incrível cena onde dois gays estão sentados juntos, mas não poderiam ser mais diferentes. É uma lembrança que Simon é apenas uma história de alguém 'saindo do armário', esse filme é apenas uma história em particular. E mesmo que seja um grande passo, esperamos que seja apenas o início, pois há tantas formas disso acontecer"

 O elenco do filme é sencacional. Sério, eu não consigo pensar em alguém melhor para intepretar o Simon que Nick Robinson. Ele foi feito para o papel, traduzindo o mesmo jeito do Simon para as telonas. (Não gostei deles terem mudado a fantasia de Dementador para a festa de Halloween, mas posso sobreviver). O filme também conta com os veteranos Josh Duhamel e Jennifer Gardner, que dão vida aos excêntricos e divertidos pais de Simon. Katherine Langford, a estrela de 13 Reasons Why também está no longa, vivendo a destemida Leah e os jovens atores, Alexandra Shipp, Jorge Lendenborg Jr e Keynan Lonsdale, que vivem Abby, Nick e Braam, respectivamente. Todo o elenco possui grande entrosamento entre si, o que torna o andamento do filme ainda melhor. Confesso que queria morar nessa história e conviver com eles todos os dias, de tanto que acabei me afeiçoando a cada um deles. E eu já citei o fato da trilha sonora ser extremamente maravilhosa? (Inclusive, estou ouvindo-a agora enquanto faço o texto para vocês.)


Com Amor, Simon pode não ser aquela grande história que irá a se tornar um dos clássicos da literatura e do cinema. A história foi concebida para distrair e divertir seu público, mas trazer muitas reflexões sobre como tratamos as pessoas ao nosso redor, mas acima de tudo, aprendemos uma grande lição de amor. Com certeza se tornou uma das minhas histórias favoritas da vida e irei sair recomendando para todo mundo. A começar por vocês. ♥


Notas: 
Livro: 5/5
Filme: 4/5



8 comentários:

  1. Olá!!
    Eu adorei esse livro, foi uma leitura bastante agradável para mim e eu sempre recomendo.
    Também elaborei diversas teorias a respeito de Blue e passei longe.
    Ainda não assisti o filme, mas pretendo em breve.

    bjs
    Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fê, tudo bem?
      O livro se tornou um dos meus favoritos e o filme também é uma ótima pedida, ainda mais para esse finalzinho de semana!

      Espero que goste!

      Excluir
  2. Eu não li ainda, mas sempre vejo excelentes comentários, parece muito divertido mesmo, a sua resenha já me tirou uns sorrisos :)
    Adaptações sempre tem modificações mesmo, mas me parece que no geral ele realmente está ótima!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo fortemente que você leia e assista o filme, é realmente uma ótima história, além de possuir muitas reflexões!

      Excluir
  3. Oi Gabriel, não li o livro e nem asissti o filme ainda, mas tenho um enorme interesse de conhecer essa história. Também acho que uma boa adaptação não precisa necessariamente ser idêntica ao livro, contanto que mantenha a essência dos personagens e do universo criado pelo autor já fico muito satisfeita. Acredito que irei amar tanto o livro como a adaptação.

    Amei suas impressões!
    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elô, tudo bem?

      Eu também fiquei enrolando bastante pra ler, mas depois bateu o arrependimento, porque a história consegue ser ao mesmo tempo séria e abordar muitas coisas importantes, mas ao mesmo tempo ser leve e divertida.

      Quanto ao filme, concordo totalmente com você.

      Beijos!

      Excluir
  4. Oi, Gabriel. Li esse livro neste ano também e não esperava gostar tanto. Sobretudo, o que mais me cativou foi a forma com que a autora lida com os diversos tabus de forma simples e natural, simplesmente porque tem que ser assim. Por isso adorei a sua resenha, bate muito sobre o que achei do livro também. Ainda não conferi o filme, mas quero pra ontem! Vi o trailer e adorei o elenco, espero mesmo que ele preserve a essência do livro e transmita o mesmo quentinho no coração :)

    Beijos,
    http://abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gisele! Fico muito feliz que compartilhamos da mesma opinião a respeito do livro, principalmente na parte do "quentinho no coração". A história te abraça de uma forma única. Não deixe de conferir o filme, acho que irá gostar muito! ♥

      Excluir