Adaptações: Suspense e Terror | +REVIEWS

12 de mar de 2018

Olá, pessoal! 
Como estão todos? Espero que bem! 

Nós do +REVIEWS estamos invadindo o 365 Cores para finalizar uma série muito legal em que discutimos as mais diversas adaptações literárias para as telas de cinema. Falamos sobre Dan Brown e as adaptações fantásticas e chegou a vez de comentarmos sobre a literatura de suspense e terror no cinema. 

Achou legal? Ficou curioso? Você pode ler as partes 1 e 2 aqui e aqui, respectivamente. 

Leu tudo? Agora chega mais e vamos discutir as obras escolhidas para a Review de hoje.



Agatha Christie - Assassinato no Expresso do Oriente

É muito difícil que exista uma pessoa na face da terra que não conheça Agatha e seu incrível trabalho. Ao longo de sua vida, a grande autora britânica escreveu mais de 50 obras que se tornaram referências ao se tratar de literatura de suspense. Recentemente, seu livro mais famoso “Assassinato no Expresso do Oriente” recebeu sua devida adaptação hollywoodiana e é exatamente sobre ele que iremos comentar hoje.

Livro Vs Filme:

Como o próprio nome sugere, o livro narra um assassinato em um trem. (Dãh, interpretação de texto está aí pra isso). Apesar de pequenas e sutis diferenças entre ambos, acho que é uma das melhores adaptações que já assisti. Os motivos são vários como a excelente adaptação e cenografia, personagens com personalidades coerentes com as apresentadas no livro, um bom roteiro e uma ótima direção de arte. É claro, por se tratar de uma adaptação, algumas cenas precisaram ser adaptadas para atender as expectativas dos telespectadores.

1: Ambientação

Após o embarque no trem, a narrativa do livro se passa quase que exclusivamente entre os vagões do expresso do Oriente, inclusive após a avalanche que os deixam presos por um tempo. No filme, tal espaço foi aproveitado de forma a tornar as cenas mais dinâmicas e interessantes, com tomadas externas, aproveitando todo o cenário a volta do trem. O filme também possui a adição de algumas cenas de ação que imprimem um ritmo mais forte no filme que busca quebrar a monotonia e sair da mesmice. 

2: Suspense e Mistério

Christie é a rainha do mistério e sua maneira única de escrever imprime uma narrativa de eterno suspense diante das investigações. Nenhuma pista é revelada, o clima de apreensão é constante e é impossível tentar revelar o grande segredo da história. Ao mesmo tempo, Agatha utiliza-se de recursos humorísticos e personagens carismáticos trazendo ao mesmo tempo uma história densa, porém leve. O filme foi capaz de transpassar o mesmo clima de mistério e bom humor, sem exagerar nos extremos. Como citei acima, a ambientação do filme é eficiente, alinhada com a boa iluminação e trilha sonora. 

3: Hercule Poirot e os Personagens:

O detetive Hercule Poirot (Nada de Hércules), é um dos personagens mais emblemáticos do mundo da literatura. Perfeccionista e extremamente metódico com tudo, Poirot precisa encontrar a simetria em tudo para se sentir bem. No filme, foi brilhantemente interpretado por Kenneth Branagh (que também é o diretor do longa) e foi capaz de reproduzir com fidelidade na telonas todos os aspectos físicos e psicológicos do detetive. Alguns personagens tiveram sua personalidade, profissão, aparência e até mesmo nacionalidade alterados para que se adaptassem melhor ao seu intérprete, contudo, sem tirar o brilho da história. O filme conta ainda com Penélope Cruz, Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Willem Dafoe e Judi Dench, entre outros. Só nome de peso.  

Assim como em suas páginas finais, o filme traz a emblemática cena com a revelação sobre o assassinato e mais uma vez o talentoso elenco dá um show de interpretação e Kenneth mostra para o mundo inteiro que é possível fazer uma boa adaptação com as modificações necessárias sem perder a identidade pelo qual a obra foi conhecida. Ao final do filme, assistimos Poirot embarcar para o Nilo para investigar um outro assassinato, parte de uma outra obra da autora, “Morte no Nilo”. A continuação deve chegar aos cinemas no final do ano que vem.

Notas: Livro: 9/10 - Filme: 9/10

Stephen King: It - A Obra Prima do Mal

Falamos da rainha do suspense e do mistério e por que não falarmos agora sobre o rei do terror? King (perdão pelo trocadilho com o sobrenome) é um dos autores mais lidos pelo mundo a fora. Seus livros já venderam mais de 400 milhões de cópias, traduzidos para mais de 40 idiomas. Ao longo da sua história, diversas obras já foram adaptadas para o cinema e televisão e iremos comentar sobre a cereja do bolo das obras de King e seu palhaço Pennywise.O livro lançado originalmente em 1986 ganhou sua primeira adaptação em 1990 e recentemente, 27 anos depois, em 2017, lançado um Reboot. Apesar de ter assistido ambos os filmes, irei me ater ao do ano passado, pois muitos não viram a primeira versão do filme. “Vamos flutuar” no universo de King!

1: A Origem do Mal

A história se passa na cidade de Derry durante dois momentos distintos: Em 1962 e 27 anos depois, em 1989. Somos apresentados a história de Bill Denbrough e seus amigos após terríveis eventos acontecerem na cidade, principalmente com crianças desaparecidas que eram encontradas posteriormente mortas. Tudo muda após o irmão de Bill, George ter sido brutalmente assassinado. Ele e seus amigos que são denominados como “O Clube dos Otários”, precisam se unir para acabar com uma criatura primordial e milenar que se alimenta dos medos de suas vítimas e é capaz de assumir as mais diversas formas, dentre elas, a do emblemático Pennywise, o palhaço dançarino. Anos após os primeiros eventos, os amigos são obrigados a se retornarem novamente a Derry para enfrentarem novamente A Coisa que acordou novamente e mais faminta que nunca após seu longo descanso que ocorre em ciclos a cada 27 anos.

2: Narrativa e Ordem Cronológica dos Fatos

Ao longo das suas mais de 1000 páginas, o livro apresenta um formato de narração muito interessante, em que são mesclados capítulos entre passado e presente, ou seja, capítulos que narram o primeiro combate em 1962 e outros que narram os personagens como adultos, em 1989. O filme optou por realizar sua narrativa de maneira distinta e em sua primeira parte narra somente a primeira luta contra Pennywise, porém ocorre em 1989. Recentemente foi anunciado que It ganharia uma 2° parte e, dessa vez teremos o foco nos personagens como adultos e a história irá se passar em 2017. Acredito que a escolha de mudar o tempo da narrativa se deu para dar uma melhor imersividade por parte do público. 

3: Os Personagens

A adaptação foi bem fiel na criação dos personagens. Todos se assemelham muito com as discrições e possuem os mesmos perfis psicológicos, com exceção de Mike Halon, cuja história foi alterada. No livro, seus pais estão vivos, mas no filme eles foram vítimas de um acidente e morreram carbonizados. Tal cena é utilizada por Pennywise pra se alimentar do medo de Mike, mas não sabemos se haverá alguma outra ligação com a história na parte 2 do longa. As criaturas que a Coisa assume para assustar as crianças também sofreram modificações, como por exemplo a Múmia vista por Ben não foi inserida no longa. Uma das vítimas da Coisa, Patrick Hockstetter também sofreu modificações, uma vez que as características que o transformava em um psicopata no livro foram excluídas na versão final.

4: Afinal, qual a origem da Coisa? E qual sua verdadeira forma?

Sabemos que Pennywise não é uma criatura da terra. O monstro é capaz de assumir qualquer forma para que possa em si levar sua vítima a loucura. No livro, A coisa não possui uma forma definida. Quer dizer, os olhos humanos não são capazes de enxergar sua verdadeira forma, apenas conseguem enxerga-la como uma espécie de aranha, uma das representações mais próximas sobre qual seria sua verdadeira forma. No livro, essa forma da aranha é revelada nos dois combates, porém, no filme de 2017 a mesma não foi abordada. Não sei como eles irão abordar na parte 2, mas acredito que seguirão pelo mesmo caminho. Com relação sobre sua origem, em um dos capítulos do livro, os meninos acabam tendo uma visão da chegada da Coisa, milênios atrás, através de um meteoro que cai na terra, o que confere um ar de extraterrestre. No filme tal cena também foi cortada e não sabemos se irão explicar no próximo longa.

5: A cena polêmica

Se você é como eu e sai pesquisando a respeito dos livros e filmes, com certeza já deve ter lido algo por aí a respeito de uma das cenas mais controversas e polêmicas da história da literatura: A cena da orgia entre as crianças. Logo após derrotarem Pennywise pela primeira vez, o Clube dos Otários não consegue encontrar o caminho de volta pela tubulação de esgoto de Derry, e Beverly resolve fazer sexo com cada um deles como uma forma de encontrar a saída e se conectarem novamente. Em várias entrevistas, King diz que a cena representa a perda da inocência, uma vez que são obrigados a deixar a infância para trás após serem obrigados a enfrentar a criatura tão monstruosa como a Coisa.  Felizmente a cena foi cortada de ambas as adaptações do livro e confesso que seria totalmente estranho assistir tal ato.

6: Dá medo?

Ambas as obras possuem suas particularidades. O livro explora muito o lado psicológico do medo e suas vertentes. Em algumas passagens ficava perdido pois não sabia distinguir a realidade dos devaneios. O filme aposta em cenas de susto dos mais diversos tipos e Pennywise, interpretado por Bill Skarsgård é capaz de trazer o pior dos medos para as telonas. Infelizmente não posso comparar o final pois como dito acima, haverá uma continuação após o grande sucesso nos cinemas. Estima-se que o longa rendeu um lucro de U$ 700.000,00 e tornou-se o filme de terror mais lucrativo e visto da história.

Notas: Livro: 8,5/10 - Filme: 8/10

Stieg Larson: A Trilogia Millenium

Das obras escolhidas para montar a review, resolvi deixar A trilogia Millenium escrita pelo sueco Stieg Larson por último por ser de longe, a minha triologia favorita do mundo inteiro e por ter muita coisa pra falar sobre. Além dos livros, a série possui duas versões adaptadas para o cinema: A versão sueca com os três filmes e a versão americana, com o primeiro.

1: A Primeira Trilogia

Lançados entre 2005 e 2007, a trilogia Millenium conta com três títulos, chamados de: “Os Homens que não amavam as mulheres”, “A menina que brincava com fogo” e “A Rainha no Castelo de Ar” e que trazem em sua essência histórias densas e literais sobre abusos psicológicos e sexuais contra as mulheres e conflitos políticos entre os poderosos. 

1.1. Os Homens que não Amavam as Mulheres

A história se passa em uma fictícia ilha na Sueca em que a neta de um dos homens mais ricos do país desaparece. Todos os anos a partir desse evento, ele recebe um presente, uma borboleta emoldurada, o mesmo presente que ele recebia de sua neta desaparecida, Harriet. Henrik então resolve contratar um jornalista investigativo para que ele possa decifrar o que de fato aconteceu com sua neta.

1.2 Os Personagens

Graças a Larson, fechamos nossa Review com mais dois personagens que permeiam o hall dos melhores já criados no mundo da literatura: Michael Blokvist e Lisbeth Salander. Michael é um jornalista investigativo e cô-propritario da revista Millenium e Lisbeth é uma hacker talentosa e experiente que trabalha com “freelancer” em uma agência de segurança apenas para pagar suas contas. Possui sérios distúrbios sociais e tida como uma sociopata perante a sociedade. Juntos precisam trabalhar para decifrarem o mistério, mas não imaginam que irão cair uma teia de mentiras, assassinatos e escândalos.
1.3 Livro Vs Filme(s):

O sucesso de Millenium foi tão grande que a trilogia foi adaptada na versão sueca e ganhou o primeiro filme na versão americana. Irei comentar brevemente sobre os dois e suas principais diferenças entre eles é o livro que deu origem. Em ambas as versões, Lisbeth foi lindamente interpretada por duas grandes atrizes. Enquanto na versão sueca Noomi Rapace foi a responsável por dar vida a Lisbeth, a encarregada por viver a hacker foi Roney Mara na versão americana. Elas em si não apresentam grandes diferenças físicas e de caracterização, e desempenharam o papel de Lisbeth com maestria. Já Michael foi interpretado por Niels Arden Oplev na versão sueca e Daniel Craig assumiu o papel na americana. Particularmente prefiro Niel no papel. Nada pessoal, apenas acho o Craig muito inexpressivo e sem emoção.

Os roteiros foram muito bem produzidos, mas mais uma vez prefiro a versão sueca que foi mais fiel ao roteiro do livro. A produção de arte de ambos estão de parabéns, principalmente em algumas cenas chaves para a história que foram atuadas, dirigidas e produzidas exclusivamente para chocar o público. Os três filmes da versão sueca são um grande sucessos e entram para a lista das melhores adaptações literárias. Contudo, a versão americana foi recebida com baixa empolgação pelo público e não recebeu sua continuação até então.

1.4 A Menina que Brincava com Fogo

Se na primeira história temos um caso de suspense, na segunda somos apresentados a uma narrativa política e social em que mergulhamos a fundo no passado de Lisbeth para entender melhor um pouco a respeito dos seus traumas e de sua conturbada relação com seu pai. Mikael novamente investiga a morte de dois jornalistas que preparavam uma matéria sobre o tráfico de mulheres, porém, Lisbeth se torna uma das suspeitas da polícia. O filme sueco mantém o alto nível na produção e traz um roteiro similar e coerente com a obra.

1.5 A Rainha do Castelo de Ar

Lisbeth se torna a procurada n°1 da polícia, mas graças a seu talento consegue viver sob qualquer suspeita. Junto com Blokvist, eles continuam revirando o passado de Lisbeth em busca de provas sobre o paradeiro de seu pai, principal responsável por todas as coisas terríveis que aconteceram com ela. Porém, o que ela descobre muda totalmente o rumo do jogo, uma vez que seu pai está envolvidos em um dos piores escândalos da Suécia.

1.6 A Segunda Trilogia e novos Filmes

Infelizmente em 2004 Larson nos deixou e David Lagercrantz foi convidado pela editora para dar continuidade a série de livros. Lançado em 2015 o 4° livro da trilogia chamado de “A Garota na Teia de Aranha” e traz novamente Lisbeth e Michael para investigar o mundo de crimes políticos na Suécia. Apesar de ter sido um best seller, em minha opinião o livro perdeu um pouco as características pelos quais a trilogia ficou conhecida. Em alguns momentos sinto como se estivesse lendo Dan Brown e suas conspirações. Já foi confirmado a adaptação do livro como a continuação da versão americana de “Os Homens que não amavam as mulheres”. O elenco original não regressa, mas não há notícias sobre quem serão os subsitutos de Craig e Mara.

Notas: Livros (Escrito por Stieg Larson): 10/10 - Livro: 6,5/10 - Filmes (Trilogia Sueca): 9,5/10 - Filme (Versão Americana):8,0/10

Então é isso, pessoal, chegamos ao fim da nossa série especial de reviews. Foi cansativo e muito corrido, mas adorei demais fazer e espero que vocês também tenham curtido ler. Não esqueçam de deixar seu comentário aqui embaixo e contar o que achou das obras que discutimos acima e, não menos importante, fala pra gente uma adaptação que você gosta muito é uma que você odeia. Lembrando que sugestões, críticas e elogios são sempre bem vindos e nos ajuda muito a medir a qualidade do nosso trabalho pra vocês.

Nos vemos a qualquer hora dessas aí!

18 comentários:

  1. CARACA! O.O
    Quero muito ver Assassinato no Expresso do Oriente, porque eu já li o livro e amo de paixão a Agatha e seus suspenses e mistérios! Sabendo então que ficou fiel, eu quero muito ver *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena assistir! Recomendo. :)

      E obrigado por seu comentário!

      Excluir
  2. Faz algum tempo que ando preferindo apenas o livro, as comparações entre as histórias acabam acontecendo durante a sessão do cinema. Mas depois de um post assim, confesso da muita vontade de assistir o da Agatha. Primeiro por ela ser diva e depois porque é um estilo que amo. Obrigada pela linda postagem. ~ Elis Blog Pretenses

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, foi uma grata supresa assitir ao filme, é realmente muito fiel. Vale a pena demais.

      Obrigado por seu comentário. Fico feliz por ter gostado.

      Excluir
  3. Olá!!

    Que post maravilhoso!! Parabéns!
    Eu já li e já assisti todos que foram citados.
    Sou apaixonada por Agatha Christie e já li quase todos seus livros, mas confesso que não fui tão fisgada pelo filme.
    Agora os outros, adorei! A trilogia Millenium então, perfeita!!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh, muito obrigado por seu comentário, fico extremamente feliz que você tenha gostado!

      A trilogia Millenium é sensacional, pena que a versão americana não foi adiante.

      Grande beijo!

      Excluir
  4. Ola.
    Eu gostei bastante do post. Parabéns.
    A rainha do suspense nem posso dizer nada porque nunca li nem vi o filme :(
    Sobre It eu li, mas não pretendo ver o filme. Toda os comentários demonstram que o filme perdeu a essência. Apesar de saber que a adaptação não deve ser igual acho que a essência deve ser mantida.
    Já sobre Millenium eu também prefiro a adaptação sueca. A Noomi é realmente a minha Lisbeth e o roteiro ficou super bem produzido.
    Parabéns pelo post.

    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jessica!

      Primeiramente gostaria de agradecer por seu comentário. O da Agatha é realmente maravilhoso, sobre IT eu achei uma adaptação interessante, porém, o livro continua sendo superior.

      Milenium é uma das minhas séries favoritas de todo o mundo, e Nommi foi incrivelmente perfeita para o papel.


      Grande beijo!

      Excluir
  5. Olá, tudo bom?
    Gostei muito da sua resenha, você apontou partes importantes dos livros e filmes, com um jeito de resenhar gostoso de ser lido.
    A única obra da Agatha que li foi assassinato no expresso do oriente. Já It eu assisti o filme (e achei muito bem produzido) e estou lendo o livro agora. Eu também gosto da narrativa do King, de intercalar passado e presente. Para quem não sabe nada do livro, daria uma curiosidade muito grande. Já o filme, fica melhor passar em ordem cronológica mesmo, se não ficaria confuso. A cena polemica realmente seria desconfortável de se assistir (e suponho que seja de ler).
    O outro livro não conhecia.

    Parabéns pelas resenhas!
    Beijos, Ally.
    Amor Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline! Estou bem e você?

      Muito obrigado por seu comentário, fico feliz que tenha gostado. Você já terminou a leitura de IT? Conta pra gente aqui nos comentários o que você achou a respeito, estou curioso! :)

      E assim que houver a oportunidade, busque mais sobre a trilogia Millenium, principalmente se você for uma fã de suspense e mistério assim como eu :)

      Grande beijo!

      Gabriel,
      Equipe +REVIEWS.

      Excluir
  6. Olá,
    Uau adorei o post. Sou doida para ler e assistir esta obra da Agatha, fiquei super animada depois de ler suas impressões sobre o filme principalmente no que diz respeito a Poirot :D. IT, eu li e adorei a adaptação (na verdade gosto até da antiga) e concordo plenamente com você, ainda bem que aquela cena polêmica não foi inserida porque eu realmente não gostei dela. Também estou organizando alguns posts especiais de IT onde falarei sobre minhas impressões e minha opinião sobre essa cena. Sobre Millenium, eu ainda não li os livros (pretendo), mas assisti os dois primeiros filmes (sueco e americano, preferindo o sueco).

    Adorei saber suas opiniões e impressões, amo posts que falam sobre adaptações <3 Ficou TOP!

    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem?

      Obrigado por seu comentário! Fico feliz que tenha gostado do texto, eu como leitor quase sempre procuro esse tipo de texto antes de ler/assistir alguma obra, então, é muito importante para mim que tenha gostado.

      E seu texto sobre IT, já saiu? Deixa pra gente aqui nos comentários.

      Ótima semana para ti.

      Grande beijo.

      Gabriel,
      Equipe +REVIEWS.

      Excluir
  7. Oii, tudo bem?? Adorei seu post!! Confesso que não li nenhuma das obras citadas,mais já assisti It. Achei a produção bem incrível e espero que a passagem temporal que irá acontecer também seja bem produzida.Sempre que leio resenhas a respeito do livro, vejo que a coisa assumia formas diferentes de medo para levar as pessoas a loucura , não apenas o palhaço e creio que isso foi pouco explorado no filme.
    Espero ler a obra para compreender um pouco mais da genialidade do autor!
    Beeijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem?

      De fato no livro são exploradas diversas criaturas pelo palhaço para assustar as crianças e, no filme, foi pouco explorado. Talvez na sequência, eles irão utilizar desses elementos.

      Grande beijo!

      Gabriel,
      Equipe +REVIEWS.

      Excluir
  8. Bem, infelizmente eu não assisti nenhuma adaptação citada e nem li os livros kkk, gosto de suspense, porém detesto terror, essa cena polêmica de IT realmente deu o que falar. Amei seu post, cheio de informações bem concretizadas, bom domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Hahahaha, sim, para cada leitor há um estilo diferente. Por isso, convido você a conhecer o nosso site, onde fizemos uma série especial falando sobre os livros de Dan Brown e as Adaptações Fantáticas.

      Espero que alguma delas faça seu estilo.

      Ótima semana para ti.

      Beijos,

      Gabriel,
      Equipe +REVIEWS.

      Excluir
  9. A adaptação de IT eu amei tb, principalmente pq cortou a tal cena... muito estranha mesmo hahaha Mas compreendo o lado do autor e a obra tem esse clima mesmo.
    Assassinato no expresso ainda não assisti, mas ja vi a adaptação antiga e gosto bastante.
    Em geral não sou muito exigente se a obra é 100% fiel ao livro, aceito modificações desde que bem feitas :)

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Concordo com você! Pode-se haver modificações no roteiro, sabemos que são duas obras diferentes, mas desde que bem feitas, sejam bem produzidas e possuam coerência com a história!

      Boa semana!

      Gabriel,
      Equipe +REVIEWS.

      Excluir